quinta-feira, 13 de março de 2014

Amor e dor nas águas de março

         O velhinho da pipoca viu-os chegar na Praça das Acácias e se sentarem no banco sob uma das acácias dormidas. O homem, grisalho, o saudou cortesmente, seguido pela mesma amabilidade da mulher.
       Trajavam tecidos  leves  em cinza claro;  um pouco diferente das roupas do dia a dia. O homem, camiseta larga e calça presa por cordão; a mulher, cabelo rente à nuca, se elegantizava de brincos, pulseiras, e vestia blusa à cintura e saia comprida.
        O velhinho, para fruir da melhor sombra, aproximou-se deles com seu carrinho. Sem que intentasse ouvi-los, ouviu a mulher iniciar a conversa, depois de um suspiro:
         ― Então é  esta  a praça  que tanto falas.  Há quanto  tempo não vens aqui?
           ― Há um ano. Estive aqui diinhas antes das águas de março.
           ― “São  as  águas  de  março  fechando  o verão”,   ela  cantou  o  verso de Jobim.
          ― Linda canção. Mas a mim, águas de março me lembra um caso, disse ele, jogando a perna sobre a outra. Um caso de amor e dor. Esta praça é parte deste caso, porque aqui um homem passava horas a falar com o amor da sua vida. Fala não a tête-à-tête, não sei se você entende.
           ― Sim, entendo como falar ao telefone.
         ― Também. Mais  comumente  pelo computador.  Aqui, coisa  de quatro anos atrás, ele a viu na tela. Viu-a como se visse uma flor; e ela o sentiu como o seu primeiro amor. Riam-se dos beijos trocados na tela, e ele traçou plano, se pondo à frente dele como um pássaro a cantar na sua janela. Mas um plano, e outro, por conta dos temperos da vida, falhavam; não rimavam com o que lhe palpitava o coração. Aqui, na praça, ele fechava os olhos para ela; ela somente sua, e o mundo somente deles. Um dia, se lhe abriu o estágio acima da esperança: a verdade de se ir para ela já era mais certa que o sol. Antes das águas de março, inundar-se-ia de alegria no colo dela. Porém, o sol da sua estrada falhou, e uma enorme fenda se abriu entre eles, posto que ela tomasse o rumo de outro coração. Daí, o seu grande amor, a se ver sozinho, sem ideia de destino, entregue como um barco perdido, caiu nas águas paradas e gélidas que levam a outra vida: ele foi encontrado, de rosto sobre os braços, nalguma destas mesinhas.
       O silêncio que se fez ao seu relato foi tão dormido quanto às acácias. A mulher, comovida, deitou o rosto no seu braço, e os olhos do velhinho das pipocas receberam um pouco das águas de março. Antes de se levantarem e sair, ela, ainda tomada de emoção por aquela história de amor e dor, quis saber:
       ― Conheceste esse pobre homem?
       ― Sim. Muito. Esse homem era eu.
       Eles se foram. Aos olhos do velhinho da pipoca, conhecido por “O que vê coisas”, esvaíram-se logo adiante, e para nunca mais ali na praça.





32 comentários:

  1. hola, bueno Marcio! Mis ojos se llenaron dágua. Es una muy bella historia espiritual. Gracias, amigo! Stell.

    ResponderExcluir
  2. Uma narração perfeita escrita com muita sensibilidade de um doce sentir. Abraços querido Poeta!

    ResponderExcluir
  3. é....o amor aqui da Terra.. sabe afagar e ferir, com a mesma intensidade
    lindo Márcio...lindo
    Iza

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Márcio. Uma descrição perfeita das facetas do amor terreno, quando é verdadeiro ultrapassa as barreiras da eternidade, bjsssssssssssss

    ResponderExcluir
  5. De uma sensibilidade sem igual. Fico feliz por poder ler mais um conto seu Márcio. Amor e dor, quem não os já sentiu? Muito lindo! Carinho da Cida.

    ResponderExcluir
  6. Olá Márcio,

    Um conto lindo e que emociona. Amar demais e sem o retorno sonhado causa dor e marca a alma para além da eternidade.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Marcio. Linda história... nos lembra de que algumas coisas não são para ser mesmo...

    ResponderExcluir
  8. Emocionante, como tudo o que você escreve. Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. Claudio Roberto
    Parabéns caro amigo.

    ResponderExcluir
  10. Regina Oliveira
    MarcioBuriti Texto com o melhor, saudades

    ResponderExcluir
  11. Jesiel Miranda,
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  12. Vera del Puente,
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  13. Lenir Trautmann,
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  14. Glaucia Jose Lara Gomes,
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  15. Claudia De Oliveira Alves,
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  16. Fatima Galdino,
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  17. Marcio, como seria bom se os sentimentos sempre encontrassem guarida no coração amado, para uma dança eterna! Mas eternas, apenas as lembranças e a saudade. Muito belo! Abraço.

    ResponderExcluir
  18. Vanice Zimerman Ferreira
    Belo e emociona, parabéns! Imaginei as cenas... Boa noite Márcio, abraço, Van.

    ResponderExcluir
  19. Ceiça Lima
    Boa tarde amigo poeta. MarcioBuriti Texto. Parabéns pelo texto. Abraço.

    ResponderExcluir
  20. Parabéns Márcio, pelo conteúdo e pelo esmero.....abraços.

    ResponderExcluir
  21. Boa noite meu amigo.

    Que lindo esse conto... É, por vezes o universo parece não conspirar a favor mesmo...

    Senti como se fizesse parte da cena, a praça, os pombos, o cheiro da manteiga esquentando pra pipoca... Tudo tão lindo, amei, parabéns!

    Se cuida, fica bem... Um beijo, lu.

    ResponderExcluir
  22. Nossa Marcio, excelente, me emocionei e o final foi surpreendente, parabéns abraços Luconi

    ResponderExcluir
  23. Lu Mansanaris
    É incrível a tua forma de escrever... Sinto-me parte da cena, muito intenso, amei, parabéns! Um beijo meu amigo, se cuida...

    ResponderExcluir
  24. Mariana Oliveira
    Lindo texto!! Parabéns Pai MarcioBuriti Texto!

    ResponderExcluir
  25. Um conto de primeira grandeza. O leitor ve a cena,Conceição Gones,

    ResponderExcluir
  26. Acho linda a tua sensibilidade a transbordar em teu imenso dom!

    Beijocas e linda semana pra vc!

    ResponderExcluir
  27. Rafael Borges,
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  28. Ana Soares
    lindo, como tudo que escreves!

    ResponderExcluir
  29. Conto de uma narrativa perfeita . Vive-se e imagina-se detalhadamente cada canto da praça e sonha-se com aquele amor tão especial. Fictício ? Real? Platônico? O autor é capaz de sabê-lo. Parabéns, querido Márcio!

    ResponderExcluir
  30. Sensibilidade fluindo em cada palavra, encantando-nos a alma, povoando nossos sonhos de cenários perfeitos, personagens de mãos dadas com nosso coração e circunstâncias perfumadas de ternura! Belíssimo, como sempre, querido encantador de palavras!

    ResponderExcluir
  31. Muito bom ler-te e reler-te, aprendo muito com vc! Obrigada! Abç, Cintia

    ResponderExcluir
  32. Sob as acácias, o vai e vem das águas de outros marços... Marcio. Assim com essa delicadeza de contar e fazer a gente pensar no que foi que aconteceu. De tocar fundo.

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!