sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Ninguenzinho

     Ao suspiro do vento, as folhas caem. Aqui, como no morro acolá, que faz pose pro céu, o inverno segue com a peripécia de despir os galhos.
   Dormem as árvores, acordam as aves para  as sombras a beira-rio. O que fica é um insosso de sem cantos e voejos. Passa tangará, passa viuvinha, passa canarinho... Só não passam os pios de pranto de um pintinho, o Pio-pio-ninguém, que diz o morador; o Ninguenzinho, que diz meu coração.
     Ninguenzinho plange a dor aos fiapos de sombra de uma roseira pelada. Chega, espicha o pescocinho e fica a bulir a cabeça que nem ponteiro de relógio; decerto sem ver a hora de fazer a festa do cisco com a mãe e os irmãozinhos. Qual! Seus pios de pranto não se revelam além da linha do seu abandono.
     A vida tem dessas parecenças. Há anos, deu-se o abismoso de uma mãe renunciar ao filho, ainda em panos, numa lixeira de rua. Agora é o Ninguenzinho a sofrer o rejeito. E ele pia que pia pelo terreiro, e cada pio é um pontinho do seu coração a se secar.
     Mas é que a vida gosta de voltejo e ardileza: o filho largado foi ter-se com uma senhora num asilo, e, se no olhar se brota um trato, ela se foi para a sua casa. E ele lhe foi todo cuidado, espargiu-lhe carinhos de filho com imensa falta da mãe ― e não é que ela fechou os olhos para esta vida sem a coragem do “perdão, filho, por ter-lhe dado à lixeira?”
     Ao suspiro do vento, as folhas caem. Aos pios de Ninguenzinho, se cai o pavio do viver, se encaixa mais e mais, por ardileza da vida, o seu convívio com a mãe. No olhar do morador transparece esse preciso: a mãe ao fundo do quintal, largada pelos franguinhos, quiçá mordida por um réptil, quiçá picada pela solidão, recebe o encosto de Ninguenzinho, que lhe bica na asa como a dizer “estou aqui, mãe.”
     Até lá, passa tangará, passa viuvinha, passa canarinho... Só não passam os pios de pranto de Ninguenzinho.


39 comentários:

  1. Nossa, Marcio! Nem sei o que dizer, se lindinho, tristinho, e ainda aquele encontro do filho com a mãe, nossssaaaa. Muita ternura e emoção. Tadinho do Ninguenzinho. Ótimo texto, beiiiijo.
    Marcela Silviet

    ResponderExcluir
  2. Olha, li, parei para pensar em tudo e veio a lágrima. Nem sei quanto tempo não lia um txto assim, nem sei. Lindo! Nota 10 pra você. beiiijo!

    ResponderExcluir
  3. Marinalda Ávila
    curtiu NINGUENZINHO

    ResponderExcluir
  4. Olá escritor Buriti, que coisa mais bonita, rapaz. Seus textos são um melhor que o outro, abraço.
    Carlos Moraes S. Teixeira

    ResponderExcluir
  5. Realmente você é 10! Bonito demais, Marcio. Bjo!
    Larine C Luz

    ResponderExcluir
  6. Lindo, lindo, lindo. Parabéns!
    Ellen S. Ximenes S.

    ResponderExcluir
  7. Que coisa linda, nossa! Texto para ler muitas vezes, obrigada.
    Ana Augusta

    ResponderExcluir
  8. Bom dia Marcio, teu texto tem uma profunda conotação sentimental pertinente ao reino animal, parabéns, bom final de semana, abraços.
    Vera Regina Cazaubon

    ResponderExcluir
  9. Emocionante, boa literatura, bonito. Parabéns.
    Paula Brito

    ResponderExcluir
  10. Muito bonito, Márcio. Você escreve muito bem. O encontro de filho e mãe foi demais. O Ninguenzinho também dá emoção, tadinho. Beijo.
    Thamar de Mello

    ResponderExcluir
  11. Poético, bem escrito, a vida de um pintinho abandonado se comparando com um abandono de pessoa. Um espetáculo de texto. Harmônico, bom de ler. Abraço.
    Carlos Gregório Silveira

    ResponderExcluir
  12. Oi Marcio, você escreve muito bem, viu? Estou sempre aqui nos seus textos. Beijo, amigo.

    ResponderExcluir
  13. Olá, Buriti, que texto ótimo de ler, cara. Cheio de ternura, de vida simples. Muito bom mesmo. Abraço,
    Paulo R. Júnior

    ResponderExcluir
  14. Bonito mesmo. Muito bem feito. Bjo,
    Paulianna M. T. Moura

    ResponderExcluir
  15. Muita ternurinha. Gostei. Abraço,
    Pablinne Luísa

    ResponderExcluir
  16. É ler e ficar por conta da beleza do texto. Sem comentário, Márcio. Muito bonito. Beeeijo!
    Cristina Curitiba

    ResponderExcluir
  17. Muito bonito. Como seus textos, mais um para a coleção de boa leitura. Abraço.
    Danilo Viça

    ResponderExcluir
  18. Buriti como dói este abandono .bonito e triste este texto
    Meire Oliveira

    ResponderExcluir
  19. Vanda Lucília
    curtiu NINGUENZINHO

    ResponderExcluir
  20. Vera Del Puente
    curtiu NINGUENZINHO

    ResponderExcluir
  21. Marcio até que enfim consegui acessar os comentários por aqui, nos três ultimos contos não consegui, enviava os comentarios rodava, rodava e nada, já estava preocupada, pensava o amigo acha que o esqueci e jamais esqueceria um escritor que escreve belos contos, belas narrativas que nos coloca a pensar e a imaginar situações vividas, este como os outros é magnífico, parabéns, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  22. Esse texto tão singelo, poético e descrito com brilho literário tão belo e irretocável não dá para ser lido apenas uma vez, mas muitas vezes mais. Meus aplausos, caro Márcio, por essa preciosidade e um fraternal abraço.

    ResponderExcluir
  23. Esse texto tão singelo, poético e descrito com brilho literário tão belo e irretocável não dá para ser lido apenas uma vez, mas muitas vezes mais. Meus aplausos, caro Márcio, por essa preciosidade e um fraternal abraço.
    Antenor Rosalino

    ResponderExcluir
  24. Muita ternura, e relação de vida chocante. O texto é ótimo, Márcio Buriti. Abraço,
    Paulo Juret

    ResponderExcluir
  25. Sempre um texto bonito, Márcio. Beijo.
    Nayara R. Santos

    ResponderExcluir
  26. Você sempre nos doando beleza em forma de literatura. Gosto muito do seu estilo. Inconfundível. Beijo, menino.
    Ludmila

    ResponderExcluir
  27. Talento, amigo. Você tem o jeito para a boa escrita. Parabéns!
    Éden Lourenço

    ResponderExcluir
  28. Muito lindo, emocionante. Parabéns, Marcio. Beijo.
    Michelle Fonseca

    ResponderExcluir
  29. Olá Marcio Buriti, de Lisbon apreciando seus textos lindos. Abraço,
    Clenio Cloud Souto

    ResponderExcluir
  30. Muito legal. Vc escreve muito bem. Abraço,
    Eduarda P. Fátima Souza

    ResponderExcluir
  31. Muito leal ler uma história assim. Muito mesmo. Beijo.
    Beatriz Rosa

    ResponderExcluir
  32. Grande texto, grande autor. Li mais dois textos e todos muito bons. Deixo meus parabéns pelo dom de escever. Abraço.
    Danilo S. Ventura

    ResponderExcluir
  33. Oi moço, de Teresina curtindo esse texto e outros textos seus tão lindos. Beeeeeijooooooo!
    Mariana Rô

    ResponderExcluir
  34. Lindo, você tem o dom de escrever tão bonito. Abracinhoooo;
    Regina G. Rosa

    ResponderExcluir
  35. Lindo demais! Beijo de parabéns!
    Darc C. Alcântara

    ResponderExcluir
  36. Muito bem! Texto muito cheio de ternura e ensinamento. Gostei muito.
    Rodrigo Barcelos

    ResponderExcluir
  37. Olá Márcio, você capricha muito nos seus escritos. Leitura agradável em todas. Beijo!
    Maria Ape Cézar

    ResponderExcluir
  38. Muito bom estar aqui no seu blog, a gente não vê o tempo passar. Abraço,
    Renata Vilhene Mathias

    ResponderExcluir
  39. Legal mesmo. Muito obrigada por nos oferecer lindos textos. Abraço, Márcio!!!
    Érica Regina Washington

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!