terça-feira, 27 de janeiro de 2015

O menininho sem camisa

VAI sempre ao parque para ver as crianças brincar. Ama as mamães ditarem o “chega por hoje!”, porque o “chega!” tem a cara do quietar dos pássaros para o sono. Essa contiguidade, que nada separa, ele leva para o travesseiro.
   Viu lá um menininho sem camisa sair em direção à chuva-de-ouro, onde lhe aguardava uma jovem. Ela lhe afagou as mãos, decerto por nenhum dos meninos ter-se dado com a sua presença, e ambos olharam para ele, que desviou os olhos para outros.
        Sem dar conta da saída deles, cismou com o que menininho era aquele! Com os dias, via-se menino como ele: sem camisa no futebol da sua ruazinha, o jeito ágil, o olhar a julgar tenaz, o remoinho na frente do cabelo.
         Na  cama, o teto o espelhava. Chegou  a aceitar que  era ele. Não, que isso? Que absurdo! O que está-me passando? Não, não era. Não teve em criança a feição solitária e os olhos fundos, embora o olhar tenaz, como ele os tinha. E, outro dia, a verdade se lhe abriu em sonho:

“― Oi! – o menininho sem camisa foi até ele e o abraçou. Abraçados, ele lhe perguntou o nome: ― É L.... ― Ah, tá. O meu é M.... Onde você mora, L? ― No Parque dos Meninos. ― E sua mãe, cadê? ― Minha mãe, eu não sei. Daqui, eu gosto é de você. Você é que pode me ver e falar comigo. ― Como assim, só eu lhe posso ver? Cadê a moça que estava... ― É a Tia C.... Minha professora, sabe? ― Sim, sei. Mas cadê ela? ― Ali, ó, na árvore, tá vendo não? ― Ah, agora eu a vejo. E a sua escola, L, onde fica? ― Tchau, M! Tenho de ir. Minha Tia fez sinal – o menininho saiu correndo ― Tchau, amiguinho!”

     Eles se foram, e, antes de se desfazerem entre as árvores, como se desfazem fiapos de nuvem ao vento, voltaram o olhar para M, deram tchau, e forte comoção o fez morder o lábio, tentando estancar o choro. Mas isso não funcionou, e M ergueu a camiseta ao rosto e chorou o que tinha pra chorar.





19 comentários:

  1. Ojos en las manos. Mucha emoción en un hecho espiritual. Es muy bueno para leer sus publicaciones, Márcio. Pero estoy llorando. Mi beso. Stell.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que lindo texto, pai!
    Mariana

    ResponderExcluir
  3. Lindíssimo!!! Delicado e profundo!!!
    Gabriela Junqueira Balassiano

    ResponderExcluir
  4. Quem não morderia o lábio tentando não chorar, mas já chorando tudo que tivesse, diante de encontro de transcendental ternura? Não podendo ver, fico com a sensibilidade de quem pôde e pode. O conto, essa pérola pra ser enfileirada com tantas outras... Mais uma para o colar de beleza que só Marcio sabe tecer. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Dispensa comentário meu poeta BJ grande
    Vera Del Puente

    ResponderExcluir
  6. Ana Santos
    Muito bom!

    ResponderExcluir
  7. Fabio Ceo
    marcou com +1: O MENININHO SEM CAMISA

    ResponderExcluir
  8. Estimado Marcio, estoy en México por la emoción disfrutando de su "pequeño muchacho sin camisa." Hermoso, texto raro y muy sensible. Nota 10. Se trata de la segunda lectura. Abrazo. Héctor.

    ResponderExcluir
  9. Wanda Morbeck
    lindinho seu texto parabens menino

    ResponderExcluir
  10. Ysolda Cabral
    Textos de autoria de Márcio Buriti eu recomendo no ato.

    ResponderExcluir
  11. Que lindo, Márcio! Uma ternura.
    Sou fã de textos assim, que focam além do mundo físico.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. LIANATINS POETISA
    marcou com +1 O MENININHO SEM CAMISA.

    ResponderExcluir
  13. Alô Márcio Buriti! Aqui de Portuga, vibrando com sua excelência na criação do "Menininho sem camisa". Abraço do Tiba!

    ResponderExcluir
  14. tio buon pomeriggio. "brasiliani" Via Diana, Santa Maria A Vico. Leggi " o menininho sem camisa" e poi si vedrà Aninha. Bacio zio. Ciao.

    ResponderExcluir
  15. Sempre emociono com seus textos. Obrigada por eu ter a oportunidade de ler. Carinho da Cida.

    ResponderExcluir
  16. Vanice Zimerman Ferreira
    marcou com +1: O MENININHO SEM CAMISA

    ResponderExcluir
  17. Ceiça Lima
    marcou com +1, Marcou seu comentário com +1: O MENININHO SEM CAMISA

    ResponderExcluir
  18. Belo e tocante conto. Uma feliz semana de muita luz e paz. Abs

    ResponderExcluir
  19. Que inspiração! Fantástico o aparecimento espiritual do menininho sem camisa. Só você. Beeeijo!


    Leonor Braga

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!