terça-feira, 5 de agosto de 2014

Dianainha

     Quisera eu ser in-antes de vomitar palavras que nunca comi e deixar Dianainha. Agora o eu, besta, sobe a serra de volta, puxando a pedra do ato de contrição, desconfiado de que os passarim me olham de lado, que Dianainha não me vai abrir a porta, que tem alguém co’ela. Diacho!
      Corrói-me não ter freado o trem esquisito que me deu, dia lá, que ela cantava numa festa aos zóios querentes de outros. Cego, cismei: “Vômbora docê, Dianainha! Pensa que é só ocê, no mundo? Ocê fica aqui a que quiser!”
      Enroscado pelo trem esquisito da cisma, embrulhei minha roupa com o silêncio e fui ao pote molhar a garganta. Quem sabe, aí, ela não garrava minha mão, me pedia pra ficar? Hã, ela se sentou na banqueta e pegou a alisar o cabelão bonito, co’a vista dormida no fogo do fogão. Aí, como não era home de faltar ao “vômbora docê”, saí de casa, saí da vida de Dianainha.
      Quisera eu ser in-antes de descer esse caminho, que agora pego de volta, e que serpenteia na serra. In-antes, eu dividia o travesseiro com Dianainha, e me grudava nela pra roubar da sua pele o cheiro do Leite de Rosas... Eu riscava na viola, ela cantava que nem rouxinol. Mas agora eu desconfio qu’ela não me vai abrir a porta, que tem alguém co’ela. Diacho!
      Enrosquei minha vida nos tormentos dos lugares, e subo a serra acertado de que Dianainha é só ela, no mundo, e qu’eu não fiquei ao que queria, pois o qu’eu queria virou um vão. A culpa me deixou em silêncio e me forçou à verdade; e a isso eu abracei, pois é a arma que o amor por ela usa contra mim, se esqueço de me vigiar.
      Então está; cheguei. O cãozinho nosso, deitado à porta, me olhou que nem os passarim, de lado, e voltou o queixo às patas. Não precisei bater na porta, pois meu coração o fez em tum-tum-tum. Aí ouvi a chinelinha dela, sapt, sapt, e ela abriu a porta, e ela voou em mim, e eu faltei ao sério de que home não chora, e eu fui roubar da pele dela o cheiro do Leite de Rosas.






34 comentários:

  1. Adriele Ávila
    CURTIU DIANAINHA

    ResponderExcluir
  2. Que lindo e delicado o seu texto! Primeiro o ciúmes, esse danado... Depois, o arrependimento sem saber se o outro alguém aceitará o perdão guardado nos olhos, e finalmente a certeza de que era só um engano, e que tudo continua como sempre foi... Que lindo!

    ResponderExcluir
  3. Alfredo Baeza
    marcou com +1: " DIANAINHA "

    ResponderExcluir
  4. ¡ Muy lindo, Márcio ! Muchas cosas en una historia corta. Los celos y sus efectos, y el replanteamiento del hombre apasionado. Muy lindo. Gracias por la invitación. Beso, Stell

    ResponderExcluir
  5. Mais uma vez te vejo ventilando palavras novas e as transformando em poemas prosaicos que a todos nos encanta, poeta Marcio Buriti! Abraços aplausíveis, Odir Milanez.

    ResponderExcluir
  6. Jose Villa Morin
    marcou com +1: " DIANAINHA "

    ResponderExcluir
  7. Wanda Morbeck
    Delicia de imagem : "embrulhar a roupa no silêncio". Parabéns.

    ResponderExcluir
  8. Edwin Yanes
    marcou com +1: " DIANAINHA

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde Márcio, é especial o seu jeito de tecer as palavras, entrelaçando-as com fios de poesias, parabéns!! Abraços, Van.

    ResponderExcluir
  10. No ar um cheiro de Leite de Rosas, e tudo conspirando para cercar esse conto bonito. Subi a serra com o peito apertado, mas um abraço bom e acolhedor deu conta de tudo e do resto. Está de parabéns, Marcio Buriti.

    ResponderExcluir
  11. Ceiça Lima,
    Curtiu DIANAINHA

    ResponderExcluir
  12. Para coroar o final feliz, um cheiro e leite de rosas se aventa e vai se avultando sobre as cercanias do lugar, elevando as almas únissonas para o ápice do amor maior. Parabéns pelo belíssimo conto, Marcio, e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  13. Sônia Iunes
    Coisas do Buriti! lindo conto. Saudades.

    ResponderExcluir
  14. Vera del Puente
    realmente...."embrulhar a roupa no silêncio" bj grande.

    ResponderExcluir
  15. Tatiana Santiago
    marcou com +1: DIANAINHA

    ResponderExcluir
  16. Ivany Fulini Sversuti
    curtiu DIANAINHA

    ResponderExcluir
  17. Regina Oliveira
    curtiu DIANAINHA

    ResponderExcluir
  18. João Carlos Silvério Duarte,
    curtiu DIANAINHA.

    ResponderExcluir
  19. Flor Morenna
    marcou com +1 DIANAINHA

    ResponderExcluir
  20. Isaías Medina López
    marcou com +1: " DIANAINHA "

    ResponderExcluir
  21. Marcele Moreira
    marcou com +1: DIANAINHA

    ResponderExcluir
  22. Lindo, Marcio!
    Adorei a leitura.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  23. Olá Márcio, que belo texto, a insegurança faz da gente um boneco sem lei.
    O ciúme acaba com qualquer relacionamento e nos mata por dentro, belo texto. Grande abraço

    ResponderExcluir
  24. Lindo e delicado conto. Até o ciúme, um sentimento que não é bom, se lava de perdão nas palavras pranteadas de Leite de Rosas. Feliz dia dos pais. Luz e paz, Abs.

    ResponderExcluir
  25. Sonya Azevedo
    Curtiu DIANAINHA

    ResponderExcluir
  26. Lu Mansanaris
    Curtiu DIANAINHA

    ResponderExcluir
  27. Lu Mansanaris
    Sempre impecável... Parabéns MarcioBuriti Textos pelo dia dos pais tbm meu amigo!!! um beijão duplo hoje... ^^

    ResponderExcluir
  28. Naná Santos
    Parabéns Marcio, por mais um texto impecável. Adoro seus escritos, principalmente o jeitinho matuto de se expressar.
    Deixo aqui meu abraço para você.

    ResponderExcluir
  29. Marcio, como você encanta! Esse jeito de narrar, tão especial, que possui, nos coloca vendo as cenas e as pessoas, tanto nas atitudes quanto nos pensamentos. Amei! Abraço.

    ResponderExcluir
  30. Ceiça Lima
    marcou com +1: DIANAINHA

    ResponderExcluir
  31. Marilene Duarte
    Curtiu DIANAINHA

    ResponderExcluir
  32. João Carlos Silvério Duarte
    Curtiu DIANAINHA

    ResponderExcluir
  33. Meu grande encantador de palavras, que bela gradação de sentimentos tão intensos, de encantamento tecendo cenários e sons e magia tão ímpares, lembrando-me Guimarães Rosa! A cada texto você se supera e mais nos encanta! Aplausos meus, com louvor!

    ResponderExcluir
  34. Seus textos são demais, Márcio. Você é demais. 10!


    Dalline Silva

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!