quinta-feira, 12 de junho de 2014

Dorinha, me dá um beijo?

    Do cantar aflito de uns pneus, o baque, a vida do lugar vergada ao peso da tristeza, a alma de uma mãe em retalhos sem cor, ela sentada na rua com o filho inerte ao colo, às lágrimas fartas.
    O filho, o garoto Deco, luas e sóis agora entregue à cama. Dorinha, a metade dele da vida de brincadeiras, velava-o em preces e carinho. Às vezes, ela saía à rua, palco dos seus folguedos com Deco, e, plantada para o céu, via a pipa do amiguinho a subir, subir, a bailar, bailar na sua figuração. “Seu pensamento voa mais que a minha pipa, hein, Dorinha?”, ele a provocava, no imaginário.
        Com Deco à ponte entre dois mundos, a rua ficou sozinha. Coisas que eles viveram à sombra da vida, o cofrinho da mente de Dorinha desguardava. Coisas de somenos, mas que raros tiveram de mais. Coisas puras, sem o uso de agudeza para entende-las, e que nas suas pausas, Deco tirava do sem mais nem menos: “Dorinha, me dá um beijo?”
        Agora, ao toque da Ave-Maria, Dorinha saiu de vez à rua. Forte, a segurar o rosto, o choro, o ficar em vão, mas sendo fiapinho de nuvem pra segurar o mundo que havia tecido com Deco, o mundo que pendia para o nunca mais. Então a mãe de Deco chegou, feição carregada de trabalho, besta de carga da tristeza, e pegou-lhe os braços: “Dorinha... Dorinha, e o Deco?“
         Dorinha mordeu o lábio, não disse  nada. Guardou consigo  o Deco ter-se erguido da cama com outro corpo, um translúcido, um levíssimo, um luminoso, e beijar-lhe o rosto em lágrimas. Então, respondeu-lhe com um beijo ao “Dorinha, me dá um beijo?”, e o viu sair-se ao que lhe estava por vir, deixando para trás o corpo das brincadeiras de rua.
         Agora, Dorinha se mudou de casa, pra uma casa sem rua. Dorinha se mudou de muitas coisas, menos do olhar pro céu, do buscar Deco no céu, nos entre os voos dos pássaros, nos entre os raios do sol, nos entre os raios da lua.




29 comentários:

  1. ¡Hola, Marcio! Historia triste pero hermosa vida de los niños, y un hermoso viaje de Deco a una nueva vida. Amo, amo, amo tus textos, amigo. Beso, Stell.

    ResponderExcluir
  2. Wanda Morbeck

    Li, dei um beijo de adeus ao Deco ! O amor continuará noutras esferas né mesmo ? Meu beijo

    ResponderExcluir
  3. Shirley Vaz
    marcou com +1: DORINHA, ME DÁ UM BEIJO?

    ResponderExcluir
  4. Lindo! Mesmo lindo de verdade.
    http://umraiodeluzefezseluz.blogspot.com - Algarve

    ResponderExcluir
  5. Vera DelPuente

    Bonito mas triste,chorei ,não quero ser Dorinha....Já passei por isso

    ResponderExcluir
  6. Mariana Oliveira
    curtiu isso: DORINHA, ME DÁ UM BEIJO?

    ResponderExcluir
  7. Rafael Borges
    Curtiu isso: DORINHA, ME DÁ UM BEIJO?

    ResponderExcluir
  8. Coisas que só o amigo Márcio poderia escrever. Mesmo sendo um momento triste, tem o que há de mais lindo na vida, "o amor". Adorei! Carinho da Cida.

    ResponderExcluir
  9. Olá Márcio!

    Triste, mas uma bela escrita como sempre. Parabens pelo belo dom que tens!

    Feliz Dia dos Namorados.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Vera Lúcia Duarte
    marcou com +1: DORINHA, ME DÁ UM BEIJO?

    ResponderExcluir
  11. Uma trama de intenso lirismo tecida e timbrada com o estilo indelével do poeta prosaico, Márcio Buriti, a quem aplaudo sempre!

    ResponderExcluir
  12. Lunogfer

    Triste mas belissimo!
    Parabéns!


    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Vera Lúcia Duarte
    marcou com +1 DORINHA, ME DÁ UM BEIJO?

    ResponderExcluir
  14. Fiquei aqui a ler e a emoção toma conta do ser, um conto que pode não ser baseado em fatos reais, mas acontece sempre, é bem real e Dorinha ainda teve uma grande bênção, talvez pela pureza de seu coração, lindo Marcio parabéns abraços Luconi

    ResponderExcluir
  15. Poético, triste e belo ao mesmo tempo. Eu me emocionei... Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Luconi Marcia Maria
    Deixei meu comentário em sua casa, mas não podia deixar de parabenizar aqui também lindo demais, abraços

    ResponderExcluir
  17. Maria Mineira MarcioBuriti Texto,
    seu texto é triste e bonito ao mesmo tempo, me fez lembrar do Dito, irmão do Miguilim, quando partiu...Veja esse trecho que eu gosto muito:’ E o Dito também não conseguia mais falar direito, os dentes dele teimavam em ficar encostados, a boca mal abria, mas mesmo assim ele forcejou e disse tudo: – ‘Miguilim, Miguilim, eu vou ensinar o que agorinha eu sei, demais: é que a gente pode ficar sempre alegre, alegre, mesmo com toda coisa ruim que acontece acontecendo. A gente deve de poder então ficar mais alegre, mais alegre, por dentro!’ ”

    ResponderExcluir
  18. Vera Lúcia Duarte
    marcou com +1: DORINHA, ME DÁ UM BEIJO?

    ResponderExcluir
  19. Bom dia, Marcio. Um dos mais lindos textos sobre a morte e a perda que já li. Pungente e doce, ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir
  20. Ângela Santos
    Vc coloca doçura até num amor triste. Bjao.

    ResponderExcluir
  21. Belo!!Difícil conter as lágrimas...Bom dia Márcio, e uma ótima semana, bjs, Van.

    ResponderExcluir
  22. Ceiça Lima
    marcou com +1: DORINHA, ME DÁ UM BEIJO?

    ResponderExcluir
  23. Caro Márcio, esta é uma crônica das mais comoventes. Parece que vejo a angústia de Dorinha a embalar o frágil filho já inerte na solidão da rua. Parabéns por tão brilhante criatividade e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  24. Flor Morenna
    curtiu isso: DORINHA, ME DÁ UM BEIJO?

    ResponderExcluir
  25. Que delicadeza de história, triste, sensível, rica em sentimentos que só quem tem a alma de poeta consegue descrever com tanta doçura. Amei!

    ResponderExcluir
  26. Lia Fragmentos De Cotidiano
    Muito belo Marcio. Você como sempre tocando o coração da gente.

    ResponderExcluir
  27. Julia Viana Lianatins
    Magnífico seu conto poeta MarcioBuriti Texto,triste mais muito bem escrito,parabéns pela criatividade! Um abraço de paz,Liana.

    ResponderExcluir
  28. E com que beleza algo que poderia ser só triste foi contado. Um encanto que chega a dar um nó a engasgar a palavra. Mais um show!

    ResponderExcluir
  29. Morte cruel e impiedosa!. Deixa filhos órfãos, mães sem filhos e tenta acabar amores eternos.
    Um simples beijo pode amenizar seu efeito, mas ela sempre é vencedora.
    Deco com sua partida deixou vazio na vida das pessoas que o amavam.
    Texto espiritualista que nos comove ao tratar do tema.
    Parabéns querido, Márcio.

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!