quarta-feira, 19 de março de 2014

Mariinha Mineirinha


ZÁS! Salta à ruazinha Mariinha Mineirinha. Xap! Xap! A curva da corda do pula corda cutuca a rua de chão. Entra! Entra! ― gritam os batedores, e Mariinha entra no pula corda. Xap! ― A curva da corda levanta poeira, e os pezim de Mariinha, plaft, plaft, tamborilam no chão.
      Atrás de Mariinha e o pula corda, a igrejinha. Há quermesse: bandeirinhas, luz de rojão que ficou no ar, cãozinho prali, pracolá, povo vestindo a tear. Um menino, remûe na testa, corre... Ao pula corda? Nada. Vem é a gritar: “Mariiinhaaa! Saiu o bolim de mio frito!”.
    Mariinha nhac, nhac os bolinhos de milho da quermesse. A ponta da trança do cabelo, tibum no suco de ananás. A mãe se inclina: “Ó Mariinha, come devagá!”. O pai coça o cocoruto: “Deix’ela, coitadinha!”.
           O sol bate nu’a cumeeira colonial, e um  raio dele escapole pro céu e vira lua; luadia. Dois pombinhos na ponta da cumeeira quietam o facho do namoro - sob o sol e a lua - pra espiar Mariinha na rua. Ih! Ela põe língua a eles, e eles, no chispar do lápis estão na outra ponta da cumeeira; e crroo, crroo, crroo recomeçam o facho.
        Praft, praft, e Mariinha  volta do céu; do céu da Amarelinha. Amarelinha traçada a graveto na rua. Quiçá seja bem-te-vi, o passarinho que a vê pular. Ou um canarinhão, canarinho que o lápis borrou de não caber num ninho. Que singular passarinho! Dum lado é verde, corzinha dos sonhos dos meninos; do outro é terra, corzinha dos pezim de Mariinha.
           À frente de uma casa, uma mulher de riscos magros e saia torta. Diz o tino qu’ela saiu pra ver na rua os meninos; eles no Coelhinho Sai da Toca. Braços pra cima, cabelo em cinco traços, ela ouviu de Mariinha: “Coelhinho sai da toca, um, dois, três!”. Será que a mulher sonha ser do caçador a perdida coelhinha?
           “Se aquieta,  Mariinha!” ―  a mãe lhe aponta a cama. Mas, ah, não! Agora a rua estava vazia. Agora não tinha ar de graça nenhuma, e o homem fecha o caderno de desenho das crianças. Mas, saudoso, volta ao desenho em que Mariinha dorme e diz: “Vai, Mariinha Mineirinha, acorda. Vai!”




31 comentários:

  1. Marcio, tuas histórias são sempre de agradar a grandes e pequenos!Essa. mais uma!

    abraços,chica

    ResponderExcluir
  2. Mañana Márcio. Fantástico. Un hombre con las historias de los dibujos infantiles. Muy hermoso. Beso. Stell.

    ResponderExcluir
  3. Glaucia Jose Lara Gomes
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  4. Mariana Oliveira
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  5. Lia Barone
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  6. Rafael Borges
    Curtiu isso. Legal Buriti!

    ResponderExcluir
  7. Oi Marcio, uma linda história meu aplausos perfeito, adorei..abraço.

    MARIA MENDES

    ResponderExcluir
  8. Ana Soares
    viajo com os seus textos..

    ResponderExcluir
  9. Você consegue com suas lindas historinhas fazer com que eu volte a minha infância e sentir criança outra vez. Tenha uma boa tarde Márcio! Carinho da Cida.

    ResponderExcluir
  10. Vera Delpuente
    lindo Buriti to precisando voltar a ser "mineirinha Mariinha" bjus

    ResponderExcluir
  11. Cida Peres
    Um encanto suas historinhas! Carinho da Cida.

    ResponderExcluir
  12. Ceiça Lima
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  13. Maria Mineira
    Minas Gerais tem milhões de Marias, Mariinhas. Gostei tanto que vou fazer de conta que a Mariinha da história é a menina que eu fui um dia... Parabéns!

    ResponderExcluir
  14. Ana Bailune
    Lindo, Márcio. Uma honra para mim o seu convite!

    ResponderExcluir
  15. Regina Oliveira
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  16. Juracy G. Andrade
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  17. Sônia Iunes
    Seus textos são lindos! Parabéns!

    ResponderExcluir
  18. Ana Bailune, sempre impecável em sua escrita, desenhou a Mariinha sonhadora. E você lhe deu vida na continuação, descrevendo a criança que brinca e cuja observação deixa, de fato, saudade da infância. Que ela logo acorde para tornar feliz os olhos do homem que desenha. Encantador, Marcio. Bjs.

    ResponderExcluir
  19. Magnífica leitura de dois escritores de peso. Passando para desejar-lhe feliz dia do blogueiro. Abs

    ResponderExcluir
  20. Vera del Puente
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  21. O céu tem nuvens fantásticas, Márcio, cujas portas guardam nossos sonhos e fantasias, desenhados nas cores de canarinhos e flores. E, pelas escadas de suas crônicas, conduzidos até lá, ficamos a abrir janelas sobre as quais nos debruçamos para os olhos visitarem o horizonte infinito do coração. Parabéns por mais esse belo trabalho literário! Abraço.

    ResponderExcluir
  22. Vanice Zimerman Ferreira
    Parabéns!!Belo!!Abraços, Van.

    ResponderExcluir
  23. Você sempre escrevendo com a alma e profundas palavras,poeta Márcio, seus textos são todos excelentes, já tem a sua marca de talento,aplausos! Um abraço de carinho deixo,Liana.

    ResponderExcluir
  24. Olá Márcio,

    Linda a apresentação da Ana bem como o seu delicioso texto, que remeteu-me a inesquecíveis momentos da infância.
    Ótimo domingo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  25. Que bom nos remeter à infancia. O tempo passa mas nossa memoria afetiva guarda os bons momentos.Conceição Gomes.

    ResponderExcluir
  26. Nossa Marcio eu adoro contos infantis, olha só que maravilha, teu belo conto me fez sorrir pelo tempo que o estava lendo, muito bom viajar novamente pela infância, abraços Luconi

    ResponderExcluir
  27. Como vai, tudo bom?
    Olá Marcio,
    Quanto tempo né !
    Ainda bem que a vida nos aproxima através de suas histórias.
    Parabéns poeta e amigo...por tudo que faz!
    Saudades de vc....um beijo
    Lu Santana

    ResponderExcluir
  28. Boa tarde Marcio.

    Você e Ana fizeram uma linda parceria aqui, eu amo a inocência que consegue transmitir nas ações descritas... Nossa, como me lembra Minas...

    Senti a poeira da corda me visitando a pele, junto com o sol a fio... rs...

    Parabéns, aos dois! Um beijo em cada coração, lu.

    ResponderExcluir
  29. Dalvalucia C. Oliveira
    Curtiu isso.

    ResponderExcluir
  30. Ysolda Cabral
    marcou com +1: Mariinha Mineirinha (Coisas de desenhos de crianças)

    ResponderExcluir
  31. Como é que se pode entrar num desenho e sair de lá assim, impregnado de sons, cores, movimento e magia? Aqui pode. Então Mariinha existe e a gente a ama na horinha! Que beleza!

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!