sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Na velha casa abandonada

ELE passava o riozinho para desenhar a natureza, do lado em que ela morava; e ela, cabelo à maria-chiquinha, se punha a saltar às borboletas como em saltos de balé.
     Da troca de “Oi” pintava silêncio, quebrado pela conversa costumeira. Mas um dia ela quebrou incomumente esse silêncio: “Você já sentiu saudade? Eu vou para a cidade grande, estudar. Desenha a cidade grande?”. E ele: “Nunca senti saudade nem desenho cidade grande, pois não imagino cidade grande”.
        Nesse dia, entraram de mãos dadas  na velha casa abandonada de uma vereda. Amaram a casa. Limparam-na com galhos folhados, e ela posou de vestido estampado para os lápis dele, que se sangraram nas cores da boniteza dela.
          Viram-se outras vezes. Aliás, a última foi antes de muitos anos em que ele passou a viver o desejo de pintar o que sentia por ela: a saudade. Quando a saudade saiu do verde para o roxo, ele desembarcou na cidade grande.
          Dias e dias sem vê-la, sentou-se  num parque  para refletir; e que abriu os olhos, uma figura de mulher, a se mesclar aos raios do sol, estava logo à sua frente, à beira de um lago. Seria ela, por não existir coincidências no amor?
          Não. Não era. Mas  que  uma mão lhe pousou no ombro, aí sim, a intuição lhe  disse que  era ela; e era. Daí, frente a frente, e porque o amor não dissipa as feições, ele reconheceu a boniteza que dela fluía.
           Deu ele um  passo  para o  beijo;  ela  um  passo para  trás.  Disse  ela que há dias o  reconhecera  numa rua, que o seguira, e que tinha  algo a lhe dizer: que se ia casar... Que, não soube ele o quê, mas que o amava, o que ele não ouviu.
          Agora era ele a se ajustar  ao desencanto,  num vagão de segunda clas- se. Na sexta estação, desceria para a vida de refúgio nos campos e na velha casa abandonada. A propósito, esta seria a sua vida, não fosse ela gritar o seu nome, ao corredor do vagão, e correr para o beijo e à vida a dois.
          Eles  amam a velha casa  abandonada.  Sentem-se seus donos.   Limpa- ram-na ao figurino, e ela os abriga como cúmplice do primeiro amor que eles fizeram quando criança.




25 comentários:

  1. Uau!!! Que linda história e que bom poder ler você Márcio. Não há nada que separa um amor de verdade. Parabéns meu amigo!! Carinho da Cida.

    ResponderExcluir
  2. José Edward Guedes
    Marcou sua postagem com +1

    ResponderExcluir
  3. Hola querido Marcio! Esta es una hermosa historia. Beso Stell.

    ResponderExcluir
  4. Mágico! Amei! Suas histórias são quase etéreas entre o lírico e o real.

    ResponderExcluir
  5. Nada como o despertar do amor.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  6. Celêdian Assis - Para amores eternos, até o destino conspira para que o reencontro seja inevitável. Ótimo texto. Abraços

    ResponderExcluir
  7. Regina Oliveira - Esse escritor e demais !!!!

    ResponderExcluir
  8. Um texto onde o verso se veste de prosa e a prosa deixa transparecer em suas linhas o lirismo do poeta. Aplausos!

    ResponderExcluir
  9. Que pequeno GRANDE texto amigo Márcio! Quanta beleza! Quanta riqueza!...
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Lindo texto! Adorei.
    Obrigada pela visita,beijinhos.

    ResponderExcluir
  11. Lindo demais, Márcio... a casa abandonada ficou no coração, e eles, ainda moram nela. maravilhoso!
    Espero que você tenha um belo dia de domingo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Maria Lopes de Andrade
    Marcou sua postagem com +1

    ResponderExcluir
  13. jose vitor Lemes
    Marcou sua postagem com +1

    ResponderExcluir
  14. QUE BELO CONTO! Com final feliz, como eu gosto!

    ResponderExcluir
  15. Que lindo! Amei! *_*
    Lia Barone

    ResponderExcluir
  16. Márcio, sou romântica incorrigível, mas esse é um dos mais lindos que já escreveu. Parabéns!

    ResponderExcluir
  17. Demorei um pouquinho para chegar porque estive fora, mas não perderia o prazer que suas postagens me proporcionam. Seu conto é poético e lindo. Sua forma de narrar é mágica, tanto quanto o amor que descreveu. Abraço.

    ResponderExcluir
  18. Ceiça Lima
    marcou com +1

    ResponderExcluir
  19. Maria Lopes de Andrade
    marcou com +1

    ResponderExcluir
  20. Belíssima e emocionante história, querido encantador de palavras, De um lirismo ímpar! E a poesia continua sendo sua aliada forte, escrava de sua magia, dando um toque sempre tão especial às suas prosas, Aplausos sempre! Bjs na alma,

    ResponderExcluir
  21. Sempre prazerosa, emocionante e irresistível cada leitura vinda de suas mãos
    que tão bem reproduzem sua alma de artista!
    Abraço!
    Marilene Amaral Branquinho

    ResponderExcluir
  22. Vanice Zimerman Ferreira compartilhou sua foto.
    Parabéns Márcio!!

    ResponderExcluir
  23. Márcio Querido
    Como você coloriu as palavras! De colorido terno e suave como é seu texto de amor! A casa não estava abandonada, ela abrigava em cada canto seu o mais puro sentimento e o mais sublime deles, que é o amor. Parabéns pela sensibilidade em escrever a dor da saudade pictoricamente. Seu texto é por demais bonito!

    ResponderExcluir
  24. Se fosse apenas um amor a mais vá lá... Não era. Era um amor de lápis de cor e saudade, e reencontro e beleza a cada estação sem fim. Nota 10!

    ResponderExcluir
  25. muito bom.....gosto muito de boas historias bem contadas.....lhe convido a fazer parte do meu blog

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!