segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Emoções do vira-latinha Pitoco

– Pitoco! Passa! – a mãe de Pedrinho surgiu na varanda, apontando pra sua casinha. Ela ralhou porque Pedrinho estava, ó, até aqui, de deveres, e que não teria brincadeira, naquele dia. Então, Pitoco se foi pra casinha e daí ao portão e daí ninguém mais o viu. Oh, Deus! Roubaram o Pitoco. E agora?
Agora, feche os olhos para o coração ver Pitoco à carroceria de uma picape, embaraçado numa rede. Há um homem de cara ruim com ele, e Pitoco se apoia à tampa, olhando a tudo que passa até chegar à nova morada.
   Pitoco não sabia o que era pior: se a comida, ou o menino sem graça que dizia ser seu dono, ou a saudade de Pedrinho. Então, numa noite, que eles apagaram as luzes, Pitoco, num salto descomunal, fugiu do cativeiro.
   Sob a lua cheia, o grande amiguinho de Pedrinho  alcançou a estrada. Indeciso, ele olhou várias vezes  pros lados. “Ah, São Chiquim! – seu coração, por certo, está pedindo – Vai, São Chiquim de Assis, mostra-lhe o caminho...”.    
    Mostrou? Sim! E Pitoco, ó, abriu a venta.
   Abriu a venta sob a guarda de São Chiquim. Carros e caminhões passam a toda. E os outros animais, a rondar? Lobos, onças, répteis, cachorro do mato... Mas Pitoco não parou.
   Como um cãozinho consegue tanto fôlego, tanta energia? Não se sabe. O que se sabe é que seu coração, por certo, está dizendo: “Vai, São Chiquim de Assis, dê mais força ao Pitoco! Corra Pitoco! Corra mais, mais, mais!”. 
   Seu coração é tão bom que lhe está trazendo lágrimas, só porque Pitoco se deitou ao portão da casa dele e de Pedrinho, já dia claro. E você vê, também, a menina Cidinha, vizinha de Pedrinho, chamar ao portão:
   – Pedrinhô! Ô Pedrinhô!
   Pedrinho e sua mãe saíram aos gritos de Cidinha. Pedrinho ainda disse a ela: “Que doidice é essa, hein Cidinha?”. Que doidice, a da Cidinha? Ele é que não sabia que seu amiguinho estava deitado junto ao portão, muito cansado.
    Pedrinho nem viu que saltou à calçada e tomou Pitoco nos braços. Daí... Bom, você vê o caderno de Pedrinho sobre a mesa, não vê? Vira páginas e lerás a oração que Pedrinho escreveu, durante os dias em que seu amiguinho esteve ausente: “São Chiquinho! Traga Pitoco de volta pra mim”.
   A mãe de Pedrinho, que leu a oração, chorou. E mais: que viu Pedrinho e Pitoco a brincar no quintal, seu poço de lágrimas correu-lhe no rosto. “Ah, que me importa chorar?” – ela disse – “Eu choro, e o que é que tem? Estou nem aí...”.


Ao meu saudoso amiguinho Pitoco, que, por certo, corre e brinca em algum lugar do outro Plano de vida.


11 comentários:

  1. Lindo! Que emoção deve ser reecontrar um bichinho perdido!

    ResponderExcluir
  2. Ah, Márcio, um amiguinho assim desaparecido de repente já causou muito transtorno aqui em casa, pra minha filha já adolescente! Era a Mel. Foi um sufoco por muito tempo, porque ela estava com depressão e a cachorrinha era sua terapia predileta. Ela só melhorou quando depois de algum tempo foi abraçada pela chegada de outra amiguinha: a Sol, que atende também por outros apelidos carinhosos: Futika e Tchulika. É uma mini poodle; só falta falar, mas nem precisa, porque entende tudo que conversamos com ela; perguntamos o que quer e ela nos leva onde está o que deseja; ela chega perto do filtro e "pede" água qdo está com sede... e faz muitas outras coisas! É simplesmente um outro membro da família! Amei seu texto, como sempre! Você está sempre escarafunchando nossa alma, seu moço! Beijos no coração.

    ResponderExcluir
  3. Só os mansos de coração reconhecem a verdadeira amizade e alegria que trazem esses afetuosos bichinhos. É você além do seu amor a eles sabem transmitir isso em historinhas com emoção. Gostei da xará na historinha...rs. Sempre um prazer ler você!

    ResponderExcluir
  4. Olá, Marcio. ainda bem que ele conseguiu fugir! Uma historinha com final feliz... sabe, lembrou-me de um cão nosso que desapareceu (eu era criança); por vários dias, procuramos por ele, até que ele reapareceu com um pedaço de corda amarrado ao pescoço. Fugiu, na certa.

    ResponderExcluir
  5. Seus contos demonstram sua sensibilidade. Há sempre harmonia familiar, conversas lá do interior (minhas velhas conhecidas), sentimentos tão importantes na vida, como esse entre o menino e o cão. Muito fofa. Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Q lindo Márcio, vc teve um amiguinho chamado Pitoco? rs com certeza ele corre lá no céu agora, corre sim...
    Eu também tive um amiguinho, que cresceu comigo, o nome dele era AMIGO, e eu tenho saudade dele até hoje...beijos
    Izabel Christina

    ResponderExcluir
  7. Você sempre nos emociona. A sua maneira de narrar prende a atenção facilmente. e, quando terminamos de ler, sempre fica o gostinho de quero mais. Valeu, Márcio! Abraços, Ysolda

    ResponderExcluir
  8. Humano, leve, espontâneo, coeso, escrita fina, enfim. Parabéns intensos!

    ResponderExcluir
  9. Marcio, linda historinha, com final feliz! Beijos

    ResponderExcluir
  10. Doces recordações geralmente estão implícitas num texto infantil. Vc tem o dom de nos encantar com seus escritos! *Pitoco deve ter sido muito, muito feliz contigo... Abraço carinhoso, Cintia

    ResponderExcluir
  11. Hoje as lágrimas vieram-me aos olhos!

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!