sexta-feira, 26 de julho de 2013

Dinhocó


Céuzinho!
Céuzinho era assim: até duas dezenas de ruazinhas dormidas no sossego, com calçadas floridas; a maioria de margaridas e jasmins. As casas, casinholas, tinham quintais assim ó... Um mundo, de grandes.
Céuzinho ficava numa colina... Quer ver? Feche os olhos para dar vez aos olhos da alma, e verá que Céuzinho se brotou numa mão em súplica. Viu? Verá, também, a lua cheia a banhar Céuzinho, pois, dizia-se, lá sempre era tempo de lua cheia.
    Ainda com os olhos da alma, você passa pelas ruazinhas, sentindo culpa por pisá-las, e vê onde moram as gentes. Está vendo Vó Aninha no alpendre a lhe abrir um doce sorriso? Pois é, a casinhola de Vó Aninha é a segunda maior, por ser, também, escolinha.
    Um pouco, e verá a outra casinhola maior, a de Vô Nico, que é, também, hospital; Hospital do Céu. Aí você já passou por algumas vendinhas e biquinhas d’água; e, ao sair da pracinha dos Beija-Flores, verá o fim da ruazinha onde está fincada a morada do menino Dinho, o Dinhocó.
    Dinhocó!
    Dinhocó  era  assim: não se dava com as outras  crianças, ria  à toa, e nem picada de marimbondo lhe doía. Arredio, gostava da solidão. Ficava de cócoras, ao olhar passarinhos, e imitava o Saci, ao andar. Não lia e escrevia direito, e gostava de montão dos cãezinhos ― um deles, o Totó, o cãozinho de umas das gentes que caçoavam dele.
   Caçoar, as gentes caçoavam do Dinho, que, por gostar de andar na chuva, foi chamado, no começo, de Bocó. Daí nasceu Dinhocó. E foi justamente num dia de garoa que o prazo da vida de sofrimento do Dinhocó venceu.
   Isso, porque o Céu fez com  que um carro  se perdesse e passasse por Céuzinho. Esse carro, que sangrava as ruazinhas de Céuzinho, causando pavor, atropelou o cãozinho Totó e sumiu no mundo. As gentes, às janelas, exclamaram a sua dor: “Oh, Deus, tadinho do Totó!”.
   Eles viram Dinhocó correr e tomar o cãozinho nos braços. Mas ninguém viu um vulto de mulher, como que descido do Céu, misturado à garoa, dizer a Dinhocó que colasse a boca na boca de Totó e lhe enchesse o pulmãozinho de ar. “Sopra, sopra, sopra Dinhocó! E amanhã saberás escrever a sua historinha” ― o vulto completou para se sumir no Céu.
   Daí, que Vô Nico chegou para levar Totó ao Hospital, já não foi preciso tanta urgência: é que Totó respirava normalmente, de olhos cravados nos olhos do amiguinho Dinho.
    Bom, se você olhar, daqui a pouco, com os olhos da alma, verá que Dinho é assim: convive muito bem com os amiguinhos, é o melhor aluno de Vó Aninha, e sabe como ninguém inventar historinhas. E sempre, claro, sem que ninguém veja, porque ninguém iria entender, ele joga o olhar para o Céu e abre um risinho como quem abre um risinho para alguém muito de dentro do coração.


Esta historinha vai para Izabel Christina, pela sua benevolência para com os cãezinhos das ruas de Avaré.



18 comentários:

  1. Agora vi menino rs....que linda.....muito obrigada....vc é um anjo, um anjo encarnado rs
    Beijos e Muito Obrigada...eu amei....Izabel Christina

    ResponderExcluir
  2. MÁRCIO EU AMEI GANHAR A HISTORINHA MAS NÃO SOU DE TAUBATÉ RS...SOU DE AVARÉ SP...ESTOU EMOCIONADA SABIA? VC TEM O DOM DE ME FAZER CHORAR DE EMOÇÃO...IZABEL CHRISTINA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe o Taubaté, Iza. Estava falando em Taubaté há pouco, foi isso.

      Excluir
  3. Vc não tem q se desculpar menino...vc é tão doce...eu não mereço suas desculpas de nada, por favor não se desculpe; me dá um histórinha e ainda pede desculpas? rs só vc mesmo rs
    beijos
    Izabel Christina

    ResponderExcluir
  4. Não precisa ser nenhum gênio, para perceber a beleza da alma de um bichinho. E Dinho, de bocó, não tinha nada! Linda história de amor aos animais! Viva a Izabel que tanto faz por eles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada menina; mas se vc percebe a beleza da alma de um bichinho, também deve ser uma alma linda...Izabel Christina

      Excluir
  5. Marcio, você está certo... Muitas vezes enxergamos mais com a alma que com os olhos. Basta fechá-los e somos abençoados com lindos sonhos, mesmo acordados! Parabéns, por mais um conto encantador! O seu Blog está lindo! Obrigada pelo convite. Beijos e bom final de semana! Márcia Ramos

    ResponderExcluir
  6. Oi Marcio!
    Um texto muito lindo...
    Um texto com teor poético que nos encanta!

    Parabéns e bjos...

    ResponderExcluir
  7. Muito lindo seu texto
    Eduardo
    Avaré-SP

    ResponderExcluir
  8. Olá, Márcio. Consegui chegar! Ainda bem que o cachorrinho foi salvo, já estava amargurada. Amei a historinha!

    ResponderExcluir
  9. Parabéns a Izabel Christina e para você Márcio, os dois de boa alma. Carinho da Cida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada Cida, meu carinho pra vc também, mas eu não mereço parabéns não...Izabel Christina

      Excluir
  10. Márcio, querido encantador de palavras! Sempre acreditei que quem cuida dos animais e com eles se entende bem, é que tem o dom de conhecer o código dos anjos e sabe com eles se comunicar também. Afinal, um anjo entende outro anjo e por isso você traduziu com tamanha magnitude a nobreza desse sentimento! Aplausos meus por mais essa obra de arte! Boa noite! Beijo na alma.

    ResponderExcluir
  11. Sua história tem magia e muito sentimento. A forma como a desenvolve nos faz ver a cidadezinha, os habitantes, o acontecimento central. Tudo muito belo, Marcio. Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Bom dia Marcio, como vai? é mesmo um conto lindo e muito delicado com beleza para quem ler, gostei muito, parabéns.

    Maria Mendes

    ResponderExcluir
  13. OI MARCIO!
    UMA HISTÓRIA LINDA QUE DESPERTA EM QUEM A LÊ O QUE DE MELHOR TIVER NO CORAÇÃO, O QUE DEMONSTRA TUA COMPETÊNCIA E SENSIBILIDADE AO DESENVOLVÊ-LA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Que um dia, todos estejamos neste local de luz intensa, que encontremos Dinhocó e Totó e que lá festejemos a paz e a união, sim, união de almas benditas...Um abração, mestre.

    ResponderExcluir
  15. Com os olhos da alma, enxergo a beleza do texto.
    Por trás do arredio Dinhocó, escondia-se um coração puro e aberto ao amor, principalmente ao dos animais.
    Ao salvar o cãozinho, deu-se " o milagre. " E sua história, ele a inventa, mesmo que " as gentes " não a entendam.
    Muito sensível e agrada àqueles que amam os animais.
    Parabéns, Márcio.

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!