segunda-feira, 18 de março de 2013

Ted Custoso



    É domingo!
   Domingo de verão; manhã de sol e sombras e o vento sonhando nas árvores. Domingo de céu azulíssimo, sem uma fatiazinha de nuvem. Domingo de parque, dos pássaros a trocar ideias sob o azul, do velhinho sorveteiro e sorridente, do velhinho pipoqueiro que dá pipoca aos pombos, dos patinhos na lagoa do parque, das crianças de rosto rosado a brincar com seus cãezinhos na grama do parque...
   — Que legal, hein, Ted? — o rapaz disse ao cãozinho vira-lata ao passar por ele na sala.
   Do cumprimento, e do que ouviu o rapaz dizer para servir a ele, Ted emitiu um uau baixo, único, curto, e balançou o rabo.
   — Como você gosta disso tudo, hein, Ted?!
   — Uau!
   É, mas é dia de dar banho no Ted. Aff! Então, o rapaz tem de preparar o ambiente...  Deu player na música de Enya, porque Ted gosta da música de Enya, controlou o volume e disse à mulher que lhes preparava o café:
   — Amor, bom dia! Você já tomou banho pra ir ao parque? — ele disse a ela para servir ao Ted. E o Ted, ó, encolheu a cara no sofá:
   — Urrr!
   — Já tomei banho, disse a mulher, e hoje eu quero ir, também, à casa da Ciça. Saudade da Ciça...
   Ciça é uma cadelinha vira-lata das mais bonitinhas. Ted gosta dela, e, só de ouvir o nome dela, emite o seu uau baixo, único, curto, e balança o rabo.
   — Ah, é assim? Pra ir à casa da Ciça tem de tomar banho? — o rapaz disse para servir ao Ted. E o Ted, ó... Urrr!
   Então, é hora de o homem da casa arregaçar as mangas e ter uma conversa mais séria com Ted:
   — Bãezinho, Ted?
   — Urrr! Urrr! Urrr!
   — Ó! Não me morda, Ted. Que isso?
  A mulher, que conduz a casa e ao marido e ao Ted e a tudo, entrou na situação:
  — Amor olha aqui a bolinha que comprei pra gente brincar com o Ted no parque. Que linda, não? Mas, só se ele tomar banho.
   — Urrr! Urrr! Urrr!
   — Ted! Que isso?! Tá bom... Amor, vamos tomar café porque o sol do parque não pode esperar... Quem quiser ir, que tome banho — ela disse, para servir ao Ted. E o Ted, ó, urrr, urrr, urrr, de cara encolhida no sofá.
   Então, eles se enfiaram nos shorts, camisetas, chinelas de dedo e saíram. Depois de alguns passos, pararam e olharam para trás: Ted estava de focinho colado no vidro da janela.
   — Amor, a mulher disse, temos de ser severos com ele. Ted tem de aprender a tomar banho à hora em que for preciso. Ora! Ele está se achando, é isso... Vamos embora. Não olhemos mais para trás.
   Depois de alguns passos, a mulher parou, olhou para o marido, e os dois olharam para trás: Ted não estava mais de focinho colado no vidro da janela. Daí, eles trocaram mais um olhar e voltaram.
   Ela entrou na frente, disparada, chamando-o:
   — Tedinho! Onde está você, amorzinho? Tedinho! Onde...
   Nesse momento ela parou, pôs as mãos no rosto e se deixou cair ao peito do marido, emocionada: é que Ted estava debaixo da ducha do quintal, sem tirar os olhos da torneira, como a dizer: “eu quero tomar banho, gente”.
   É domingo!
   Domingo de verão; tarde morna, avermelhada, em sombras. Hora da tarde em que os pássaros se despedem do dia e que Ted mais gosta para brincar com Ciça... E os grandes ficam a gritar, na rua da casa da Ciça: “Corre, Ted, pega!”. “Vai, Ciça, salta, pega!”. Hora triste, mesmo, será a do dia seguinte, em que Ted deverá tomar banho. Aff!


9 comentários:

  1. Como o Ted, eu adoro música da Enya... rsrsrs... eu tive um cão chamado Fox (da raça Fox terrier) que detestava banho. Se ouvisse a palavra 'banho,' ou desconfiasse que tínhamos a intenção de dar-lhe banho, ele sumia o dia todo, e só voltava depois do por do sol.

    ResponderExcluir
  2. Lindo te ler! Adoro esses cachorros e tuas histórias! abração,chica

    ResponderExcluir
  3. Os meus já sabem a hora e o dia. Não tem música da Enya. Tem roda de choro, chorinho, a música, não choro de chororô. Depois, ajeito a espreguiçadeira, uma guia de cada lado, o shampoo, a esponja, as toalhas... Eles ficam por ali, arrodeando, esperando a sua vez. Gostar, gostam, não, mas sabem que não tem escapatória!
    :)
    Adorei o TED.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Como a gente apega as esses bichinhos. Tenho só cinco aqui...rs. Adorei a história Márcio. Tudo de bom para você. Carinho da Cida.

    ResponderExcluir
  5. Mas que graça esse "menino" rss. Amo cães. Tudo que tiver um pouco ou muito deles no enredo, me agrada. Abç carinhoso, Cintia

    ResponderExcluir
  6. Pra encontrar a Ciça, claro que Ted terminaria no banho. (Risos) Adorei!! Temos uma viralatinha ( na realidade minha irmã tem) de nome Linda. Depois conto como ele é. Abraços

    ResponderExcluir
  7. O texto reportou-me à infância querida. Tive uma cachorrinha fox, levada que nem o Ted. Deu-me muitas alegrias, só me causando tristeza quando deixou de existir no mundo material.
    Um dos livrinhos queridos com que meu pai me presenteou, um dia,chamava-se Ursinho Ted. Viajei com esse livrinho na minha inocência.
    Lindo seu texto, deixa-nos a mensagem do convívio cordial entre o homem e os animais. Para isto basta apenas o AMOR.

    ResponderExcluir
  8. Ted Custoso dando trabalho e com muito carinho lhe dispensado pelos amigos. Bravo, Márcio!

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!