quinta-feira, 7 de março de 2013

No roubo da melancia



No aniversário de 2013 da menina Isabella Brito Céo


ERA a Belita. Eh, menina!
     Era a tal, na escolinha da roça. Tia Marilene ficava ó... Pasmada com suas notas. Era 10 em tudo! E olha que Tia Marilene era uma dureza.
     A Tia disse que os olhos desinquietos de Belita eram que nem bolinhas de gude negras; e que quando ela escrevia no quadro, Belita já sabia o final da frase. E mais: que Belita fazia os deveres de casa na escola; na hora do recreio. Fora da escola, o negócio era brincar no quintal e no campo.
       Aí, um dia, Belita saiu pelo campo com sua cadelinha Luna. Foram nadar num poço verde pertinho da sua casa e da rocinha de Seu Joãozinho.
      Bom, eles foram nadar vírgula, porque a Luna tinha horror àquela água fria que nem picolé. Por isso ela caiu e foi logo aquentar ao sol nas pedras do poço.
      Dali, Luna entesourou as orelhas e vidrou os olhos nalguma coisa na rocinha de Seu Joãozinho. Seria o quê... Uma cobra? Um gambá? Um cãozinho do mato? Hã! Hã! Hã! Era uma melancia.
       – Melancia? Oba! – Belita disse, já em cima da majestosa fruta.
      Mas aí ela sentiu a presença de alguém. Ai! Ai! Ai! Seria Seu Joãozinho, o dono da rocinha, espiando? Que gelo! E quando a presença lhe pôs a mão no ombro, então? !
        – Tenha calma, Belita. Sou amigo. Seu amigo.
       Belita se virou e viu um homem magro, descalço, olhar bondoso, amoroso. Daí que ele a ajudou a quebrar a melancia num tronco caído, ela lhe perguntou pela segunda vez o “quem é você, hein?”.
         – Já que insiste... Eu sou seu Anjo da Guarda.
        – Meu Anjo da Guarda? Nenada! Se você é o meu Anjo da Guarda, você sabe tudo de mim...
        – Sim, eu sei tudo de você, pois estou sempre com você.
        – Então, vamos ver: prova de que Tia Marilene deu hoje?
        – Aritmética.
        – Acertou. E o que ela deu na prova?
        – Soma de frações.
        – Acertou. E eu acertei a soma das frações?
        – Acertou todas. Tirou 10.
        – E o que mais?
         – O que mais? Bom, vamos  ver....  Ah! Sua cadelinha  se chama Luna... Seu pai a encontrou boiando no lago.
         – Acertou. E o que você quer de mim?
        – Quero uma coisa de você... Mas, agora, quero é viver esse roubo de melancia... Sabe Belita, eu nunca roubei melancia...
         – E depois, o que você quer de mim?
         – Quero que você ensine aquele velhinho perto da sua casa a ler e escrever.
         – Ah, não! Ele não me paga...
         – Você tinha quantos anos quando aprendeu a ler e escrever?
         – Quatro. E não estava na escola.
         – Pois é. Eu a ensinei a ler e escrever e nunca lhe cobrei nada.
        Belita ficou encucada, pois o homem se afastou e, simplesmente, se evaporou... Derreteu-se feito algodão-doce no céu da boca.
          No outro dia... Ah, que gelo! O velhinho dono da rocinha, Seu Joãozinho, chegou a sua casa para conversar com seu pai. Ela ficou no corredor a escutar a conversa, ó... Tremendo. No entanto, foi às nuvens ao ouvir Seu Joãozinho dizer que havia reservado para eles a melancia mais bonita da roça; porém, um bicho lá a comeu pela metade e nem deixou rastro.
          Entendendo que seu Anjo da Guarda havia apagado o rastro dela e de Luna, Belita foi à cozinha, onde estava sua mãe, e lhe disse que, a partir daquele dia, iria ensinar o velhinho que morava depois do corguinho a ler e escrever. Daí, a mãe, cheia de orgulho, abraçou-a e beijou-a, dizendo: “Vá, filha, vá! E que os Anjos da Guarda te protejam!”.
           Pensa, se Belita não olhou pra sua mãe e deu uma risadinha das mais...






16 comentários:

  1. Bom dia Marcio, como vai? Gosto muito da forma que vc escreve seus contos de forma fácil que nos prende a leitura, esta maravilhoso de muita beleza e maestria, meus parabéns.

    Att,
    Maria Mendes

    ResponderExcluir
  2. Amei! Criança, cachorro, anjo da guarda, velhinho e melancia... Tudibão! Escreveu para mim esta história linda, doce e emocionante.
    Beijo grande,
    Nena

    ResponderExcluir
  3. O anjo da guarda era magrinho... mas sabia das coisas! E olha que até incentivava as artes da menina? Ah, eu queria um anjo da guarda assim!

    ResponderExcluir
  4. A criança por si já é um anjo. Imagina quando recebe ajuda de "seu coleguinha', aí vira festa. E assim tivemos essa maravilha de narrativa. Vocabulário pertinente à fala do emissor.
    Parabéns,Marcio

    ResponderExcluir
  5. A Belita vai adorar, a história está muito bonita.


    ResponderExcluir
  6. Você escreve cada vez mais de maneira meiga e bela. Adorei!

    ResponderExcluir
  7. Onde tem criança tem vida, amor e muita ternura. E você com sua amabilidade transforma-se em anjo ao escrever cada história. Adorei!! Carinho da Cida.

    ResponderExcluir
  8. Márcio, algodão doce é cada palavra de ternura que você faz desmanchar deliciosamente em nosso coração, é a sabedoria ímpar nessa boca de céu, em cada prosa poética a colorir de nuvens e sonhos a alma da gente! Meu carinho te abraça!

    ResponderExcluir
  9. Olá amigo e poeta Márcio! Que prazer ler seus contos, crônicas e tudo que sai deste coração.
    Um Blog irremediavelmente mágico!
    Impossível não lembrar da minha primeira professora, D. Lígia e do seu quintal cheio de frutas (risos)! Principalmente, os sapotis. Hoje nem sei se existem, mas, se tenho um desejo, é de comer "vários" sapotis bem docinhos...! Que delícia!!!! Márcio, aí tem sapoti??? Se afirmativo, mande para mim!!! (risos)
    Brincadeiras à parte, temos que reconhecer o seu maravilhoso e diferenciado talento; escrever para as crianças! Que lindo dom! Amigo, parabéns pela construção e poder de criação. Nem sempre o visito devido ao tempo, viu? Obrigada pelo carinho. Muito sucesso! Abraços e uma Páscoa repleta de paz! Márcia Ramos

    ResponderExcluir
  10. Olá, Márcio, não tinha lido esse texto da menina e seu espírito protetor. Mas que beleza! Vamos pensar aqui em demonstrar essa pequena história numa aula de evangelização. Pode ser? Abraço, companheiro lindo.


    Andresa Alves

    ResponderExcluir
  11. Ah, Marcio, estou compartilhando o endereço da historinha, tá? Melhor assim, que depois eu fico sabendo dela nas aulas que lhe falei.


    Andresa Alves

    ResponderExcluir
  12. Espiritualidade e a beleza da vida da menina Belita, hein Marcio? Você e suas crianças nos presenteando com ótimas leituras. Bravo! Beeeiiiijo!

    ResponderExcluir
  13. Que fofura! Um texto ótimo pra ler antes de dormir. Beleza! Beijo,


    Carol Schneider

    ResponderExcluir
  14. Ah, que lindo! Menina Belita, queria ver o meu anjo da guarda também, viu? Muito carinho nessa história. Beeeeeeijo, Marcio!


    Solange Prado

    ResponderExcluir
  15. Uma aventura bonita, simples, com direito a Anjo da Guarda. Excelente.


    Ludmila Franco

    ResponderExcluir
  16. Uma aventurazinha espetacular. Li para a pequena. Beeeeijo, Márcio.


    Marina Roque

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!